Parte do coletivo Soylocoporti

Olhares de (apenas) uma latino-americana

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Viajeros – nos fluxos da América do Sul

,

Recomeça a viagem pela América do Sul. Última chamada para embarque!

 

Um velho sonho e uma mochila

Roli+e+Mi+saindo+do+Goi%C3%A1s Viajeros   nos fluxos da América do Sul

Thiago e eu. Imagem: Manoela Paranhos.

Não sei desde quando tenho essa vontade de viajar. Acho que desde sempre. Lembro que quando era criança eu queria muito ver neve e conhecer o Egito. Lá pelos treze anos queria ir estudar num colégio interno com umas amigas em Maringá. Meus pais não deixaram. Mais tarde, a onda era fazer intercâmbio. Minha mãe decidiu que receberíamos uma intercambista antes, para saber como era. E no ano 2000 chegou a Emma, da Austrália, que ficou um ano com a gente. Foi tão legal que até meu pai gostou. Falou em recebermos uma italiana. E em julho de 2001 foi a vez da Valentina, ela passou seis meses na nossa casa. Acabei desistindo do intercâmbio. Não sei, me pareceu meio parado ficar um ano em uma casa de família. Decidi adiar, sempre cogitando possibilidades, fazendo possíveis planos. Pensava muito na Itália, na Grécia – sonhos europeus.

Vim para Curitiba estudar Comunicação Social, e conheci o Thiago. Desde nossos primeiros momentos juntos fazíamos planos de viagem – não sabíamos muito bem para onde, como ou por quê; era simplesmente uma vontade de se aventurar pelo mundo. Trabalhamos no Banco do Brasil para juntar dinheiro. Passamos no concurso meio sem saber o que estávamos fazendo, quando vimos estávamos dentro de uma agência. Foi horrível, definitivamente um trabalho que não combina com nenhum de nós dois (verdade seja dita, acho que não combina com ninguém). Trabalhei seis meses, o Thiago onze – eu era mais econômica, juntamos mais ou menos a mesma coisa.

Eu estava fazendo curso de italiano e procurando alguma bolsa na Itália. Thiago pensava em viajar um pouco por países latino-americanos e depois me encontrar na Europa para mochilarmos juntos. Até que um dia caiu na minha mão uma edição especial da revista Caros Amigos sobre Che Guevara. Surgiu dentro de mim uma vontade imensa de conhecer a América Latina. Lembro que saímos empolgadíssimos do Cine Luz depois de assistir Diários de Motocicleta. Nós dois, conversando, descobrimos uma maneira de viajar e ainda fazer o TCC – Trabalho de Conclusão de Curso.

Claro! Faríamos nosso trabalho na viagem. Já tínhamos um motivo: “olha mãe, tô indo viajar pela América Latina.” “Como assim, minha filha?!” “Não mãe, fica sossegada, vou fazer meu TCC. Vai ser um ensaio fotográfico sobre o músico latino-americano.” Pronto. Atendidas as normas de segurança social, era hora de pensar objetivamente na viagem – por onde começar, quando começar e por onde seguir.

Falando desse jeito parece que foi tudo planejado – “ah, vamos fazer o TCC pra ninguém encher o saco”. Mas não foi. Acho que quem mais precisava dessa segurança de que estaríamos fazendo alguma coisa “séria” éramos nós mesmos. Compramos máquinas fotográficas analógicas, usadas mas de boa qualidade, filmes, mochila, saco de dormir, isolante, barraca, entre muitas coisas mais. Pensávamos que a grana que tínhamos não seria o suficiente para percorrer tudo o que pretendíamos, por isso Thiago começou a aprender artesanato. Aliás, megalomaníacos! A idéia era sair pelo Paraguai, passar por Argentina, Chile, Bolívia, Peru, Colômbia, subir a América Central e chegar até Cuba. E não acabava por aí. Na volta passaríamos pela Venezuela, Guianas, Suriname e Brasil, até chegar de volta ao sul. Tudo isso em um ano, que foi o prazo que cumprimos para voltar e retomar a faculdade.

E assim foi até que roubaram minha mochila onde estavam o cartão de crédito e minhas câmeras fotográficas, uma analógica e outra digital fuleira. De fato, alguns males realmente vêm para o bem. Esse episódio nos fez repensar – afinal, o que estávamos fazendo? O TCC foi uma invenção. Nós saímos do Brasil com um conhecimento rudimentar de foto, estávamos aprendendo tudo na prática. Além do mais, não estávamos nos dedicando ao estudo dos músicos, não tínhamos uma linha construída. E, sem o cartão de crédito, a única maneira que encontrei para sacar dinheiro foi através da Western Union, que cobra uma taxa altíssima pelo serviço. Foi aí que jogamos tudo para o ar: decidimos viver só da grana que conseguíssemos trabalhando, eu também comecei a me dedicar ao artesanato e a utopia de chegar a Cuba caiu por água abaixo. Ficaríamos o quanto desejássemos onde desejássemos. Um outro ritmo, um outro próposito – uma nova viagem.

Por ironia do destino, mesmo abdicando do plano inicial, essa viagem ainda me renderia um TCC. No meio do caminho surgiu a ideia de aproveitar o blog, que já alimentava com relatos da viagem, para fazer um livro-reportagem – que passou por várias mudanças antes do TCC e também depois, edições e reedições, num processo que parece infinito.

Cada vez que re-leio esses textos, me jogo novamente nessa experiência de experimentar e se aventurar. A trajetória dessa viajante que lhes narra é nítida ao longo da obra (e para mim, extremamente emocionante de reviver): começando pelo Paraguai e pela Argentina, ainda com foco nos músicos, descobrindo a ginga que a estrada demanda, presa a um roteiro pré-concebido – mesmo que superficialmente. A primeira grande barreira, imposta pelos condicionamentos sociais, foi quebrada na Argentina: o desafio de pedir caronas e deixar os fluxos do acaso moldarem a viagem. Mas a verdadeira transformação viria mesmo na Bolívia – o turismo, por si só, perde seu sentido. O que importa é a vivência. Mais do que o cartão postal e o souvenir, a trajetória. Mais do que o conforto, a troca. Mais do que um pontinho a mais no mapa, a tomada de consciência. Os textos revelam essa transição, perceptível na maneira de escrever, nos assuntos que mobilizam o relato e no rumo que a viagem foi tomando. O tempo é outro – o relógio e o calendário perdem o seu sentido.

Seguimos fotografando – comprei na Bolívia uma câmera igualzinha a que me foi roubada. E também nas fotos é perceptível o amadurecer da viagem, o aprendizado que propiciou, nesse exercício de alinhar olho, mente e coração, como bem sintetizou o mestre Cartier-Bresson. As imagens são, em sua grande maioria, analógicas, numa mescla de fotografia preto e branco e colorida – o que reflete a viagem como exercício fotográfico, mas também toda a diversidade latino-americana, que extrapola as categorias convencionais, bem como a divisão entre elas. Na espontaneidade e no experimentalismo é que costumam residir as subversões mais verdadeiras.

Guardo um imenso carinho por toda esse percurso, e tenho imensa gratidão à vida, por ter me dado oportunidade e coragem de experimentar o forte sabor – às vezes doce, às vezes deveras amargo, mas sempre real – da vida de viajante. E imensa gratidão à parceria de Thiago – sozinha, nada disso teria acontecido.

Essa história continua tendo sentido pra mim, e com grande alegria vejo que serve de inspiração para colegas que ouvem o sussurro da vida dizendo que há muito mais além dos corredores da rotina atomizada – que há muitas sabedorias emancipatórias pelas estradas da América Latina. Mesmo nossos sonhos de liberdade costumam ser influenciados pela visão dominante do mundo, que nos faz querer ser igual ao opressor, e sempre aponta para caminhos ao norte global: afinal, sob essa lógica, precisamos aprender com os “mais desenvolvidos”. Esse é um importante aspecto desta jornada: a escolha por Latinoamérica já é uma ruptura – e divulgá-la é um modo de amplificar outros discursos, contra-hegemônicos, tão raros nos círculos sociais, nas revistas, jornais, rádios e canais de TV. A diversidade é sufocada por uma visão única de mundo, que se impõe como óbvia. Desconfiemos do óbvio. Disseminemos outros discursos, outras possibilidades. O mundo precisa conhecê-los.

Como se vê, são vários os motivos que me levam a seguir aprimorando esse relato -  mas o principal deles é a paixão. Com toda simplicidade e humildade, e todo o aprendizado que a trajetória implica, lhes ofereço essa canção de liberdade, essa canção da América Latina. Do blog para livro e agora, novamente, para blog. A viagem continua.

 

Veja o próximo post do livro Viajeros.

share save 171 16 Viajeros   nos fluxos da América do Sul
6 comentários em “Viajeros – nos fluxos da América do Sul”
  1. Legal, Mi, é esse o caminho!!

    =)

  2. Muito bacana o novo Blog Mi!!!!

    Lendo este post me deu uma vontade imensa de sair caminhando pela nossa imensa América Latina.

    Estou esperando a oportunidade de visitar vocês aí na casa Trushna.

    Um grande beijo.

    Amarelo.

  3. Gostei do novo blog. novas fotos e a bos escrita de sempre.

  4. Obrigada meninos. Eu tbm morro de vontade de voltar a percorrer essa América Latina quando releio esses textos, Amarelo. Mas vai rolar, o objetivo é esse. Afinal, ainda quero chegar em Cuba! ;)
    Oportunidade a gente faz, venha visitar a gente assim que tiver um tempinho. Beijo!

  5. [...] revisado o livro, que apresentei como TCC em 2007, nesse blog por meio de posts – tem desde o primeiro, desde o começo dessa viagem de um ano por caminhos dessa Sudamérica de mi corazón. Só falta [...]

  6. [...] nos fluxos da América do Sul. Revisei o livro nesse blog por meio de posts – tem desde o primeiro, desde o começo dessa viagem de um ano por caminhos dessa Sudamérica de mi corazón. Essa vida de [...]

Deixe um comentário





Blog integrante da rede Soylocoporti