Parte do coletivo Soylocoporti

Olhares de (apenas) uma latino-americana

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Viajeros – Troca de pele

, , , ,

É uma tarefa muito árdua a que me proponho: perceber e refletir culturas. A subjetividade da vida me surpreende, me assusta e, acima de tudo, me fascina. Como posso transmitir algo que só eu percebo? Como posso chamar meu ponto de vista de realidade? Quem sou eu para julgar, mesmo que nesse caso o julgamento tenha aspecto de análise?

Conhecer a dor, a luta e a força dos Sem-Terra já mudou a cor de meus olhos. Quem dirá um ano cruzando continentes?! Já fui muitas Micheles, ainda encarnarei muitas outras, até chegar a ser nenhuma. Queria apreender a alma do povo paraguaio, mas nem sei se tal coisa existe – fronteiras artificiais que separam os humanos são romantizadas e enaltecidas, mas no fim geram mais guerras que unidades.

Sei que quero conhecer pessoas, sentir o outro – quem sabe até ser o outro, descobrir terras nunca dantes desbravadas dentro de mim. Sei que há uma hegemonia parasita mundial. Acredito na união latino-americana para que tenhamos autonomia e possibilidade. Mas a revolução, aquela que sensibilizará a mesquinhez da Terra (ou terra) não se fará com armas. A verdadeira revolução se dará (ou, infelizmente, não) na consciência. As armas não acabam com o medo e o egoísmo. O auto e alter conhecimento, creio que sim.

Estou abrindo minha pele, expondo minhas entranhas – no meio de tantos questionamentos, esse é agora meu norte. Mas minha bússola é caprichosa (ou despretenciosa) e pode apontar sua seta para qualquer direção a qualquer momento.

 Viajeros   Troca de pele
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*

Esse texto faz parte do livro Viajeros, que foi publicado em posts nesse blog.

Veja o post anterior.

Veja o próximo.

share save 171 16 Viajeros   Troca de pele
2 comentários em “Viajeros – Troca de pele”
  1. “É preciso estar sempre embriagado. Para não sentirem o fardo incrível
    do tempo, que verga e inclina para a terra, é preciso que se
    embriaguem sem descanso. Com quê? Com vinho, poesia, ou virtude, a
    escolher. Mas embriaguem-se.” Charles Baudelaire

  2. clap! clap! clap! clap! (aplausos)

Deixe um comentário





Blog integrante da rede Soylocoporti