Parte do coletivo Soylocoporti

Olhares de (apenas) uma latino-americana

terça-feira, 30 de junho de 2009

Kundun Balê: resistência, sincretismo e resgate

, , , ,

O espetáculo “Encanto das Três Raças”, resultado do trabalho cultural desenvolvido na comunidade quilombola Paiol de Telha, é exemplo de como a arte pode contribuir para emancipar povos e construir identidades.

dsc 0151 230x152 Kundun Balê: resistência, sincretismo e resgate

Camiseta do Kundun Balê - tranças e guias.

Sexta-feira, 19 de junho, 06h30 da manhã. Atrás da catedral da Praça Tiradentes, sentada em cima da minha mochila, comia um salgado que comprei numa lanchonete chinesa, um dos poucos estabelecimentos abertos a essas horas – todos chineses. Eu havia recebido um convite para assistir à estréia do Encanto das três raças e passar o fim de semana no Paiol de Telha, em Guarapuava.

Lendo o email-convite, enviado para a lista de associados do Soylocoporti, me perguntei: “mas será que eu entro nessa história que nem sei qual é?”. Nessas horas sempre me lembro que várias vezes me fiz essa pergunta, geralmente cedi e nunca me arrependi, pelo contrário, agradeci à vida por me ter dado coragem de vencer o medo e ter ousado ver o novo. E lá estava eu, sozinha, antes do dia nascer, esperando um ônibus de desconhecidos para viver um pouco mais da cultura do meu país, por tanto tempo esquecida, abandonada, e pior, discriminada e até criminalizada.

dsc 0420 230x152 Kundun Balê: resistência, sincretismo e resgate

Mandorová, Assema e Kundun Balê se unem para formar o espetáculo.

Foi então que surgiu um homem que perguntou se eu era a menina que iria com eles. Era Marco Boeing, de quem o Amarelo, do Soylocoporti, havia recebido o convite. Entrei no ônibus, já ocupado em parte por crianças e adultos, que desde o início me receberam muito bem. Marco, dirigente da Assema – Associação Espiritualista Mensageiros de Aruanda, me explicou que havia conhecido Orlando Silva, diretor do espetáculo, e integrantes do Kundun Balê numa comemoração dos cem anos da umbanda realizado pela associação em Curitiba. Orlando estudou com os jovens e crianças da comunidade diversas religiões, e a Assema auxiliou na introdução da umbanda, uma religião afro-brasileira formada do sincretismo religioso entre os três povos que, majoritariamente, formam o Brasil: europeu, africano e indígena.

O poder da cultura e da arte

dsc 0279 230x345 Kundun Balê: resistência, sincretismo e resgate

Sincretismo cultural.

Estudos espirituais, culturais, dança e música. Esses são os pilares do trabalho desenvolvido pelo educador e percussionista Orlando Silva junto às crianças e jovens da comunidade quilombola. Trabalho esse que vem colaborando para que os jovens conheçam e desenvolvam suas origens, que tenham consciência de seus direitos e saibam disputá-los, levando para todos a força e a riqueza de sua cultura.

A meu ver, a iniciativa traduz o que os estudos culturais latino-americanos apontam. Néstor García Canclini, em A socialização da arte – teoria e prática na América Latina, encara a arte não meramente como um objeto de absorção lúdica, mas enxerga sua capacidade de intervenção na realidade, forjando identidades e explorando visões múltiplas, aliadas inevitavelmente ao contexto histórico, social e cultural das obras.

Segundo Canclini, “está ocorrendo, em nosso século, uma transformação tão substancial na concepção da arte, quanto a que ocorreu no Renascimento. Nessa época, passou-se da estética clássica (canônica, artesanal, intelectualista) à concepção moderna (caracterizada pela livre invenção de formas, pela “genialidade” individual dos artistas, pela autonomia das obras e sua contemplação “desinteressada”).

dsc 0262 230x152 Kundun Balê: resistência, sincretismo e resgate

Mães de jovens da companhia se aliam à iniciativa.

Nas últimas décadas, a concepção moderna ou liberal é questionada pelas vanguardas artísticas e por críticas sócio-políticas: de acordo com as mudanças econômicas e sociais que procuram a democratização e o desenvolvimento da participação popular, novas tendências artísticas tratam de substituir o individualismo pela criação coletiva, vêem a obra não mais como o fruto excepcional de um gênio, mas como produto das condições materiais e culturais de cada sociedade, e pedem ao público, em lugar de uma contemplação irracional e passiva, sua participação criadora.”

O autor sugere que “talvez, uma das funções da arte seja, como disseram os surrealistas, manifestar no real o maravilhoso. Mas, pensamos também, que uma das tarefas básicas da arte latino-americana atual é descobrir no maravilhoso o real”.

Encanto das Três Raças

Chegamos à comunidade no final da manhã, almoçamos e fomos direto ao auditório onde daria-se a apresentação. A tarde foi de intensa movimentação – montagem do cenário, ajustes de som e luz, marcação de cena e a junção das coregrafias do Kundun com as da Assema, somando-se ainda o trabalho cênico do Grupo Mandorová, de Guarapuava.

Muitas trançinhas no cabelo, ensaios e correrias. Na hora do show, com a platéia lotada, a ansiedade imperava. Fez-se uma roda no camarim, momento no qual todo o árduo trabalho foi recordado pelo grupo e pediu-se a benção aos orixás.

O espetáculo iniciou com um canto que pede licença à terra para plantar nela a vida, que geralmente encerra os trabalhos de umbanda. Diversas entidades desta religião afro-brasileira foram homenageadas – não aquela homenagem distante, mas incorporada, resultado da busca pela compreensão das vibrações da natureza. A percursão enérgica ditava a sintonia do espetáculo, transmitindo ritmo aos corpos – negros, mulatos, mamelucos, brancos, indígenas, altos, magros, gordos, baixos, jovens, crianças e velhos – transcendendo padrões estéticos artificiais e valorizando a individualidade em sintonia com o coletivo.

dsc 0502 230x345 Kundun Balê: resistência, sincretismo e resgate

Alegria ao final do show.

Ao final do espetáculo, o auditório, lotado devido à apresentação, emanava satisfação e emoção. No palco, a energia era transbordante, desaguando em euforia e abraços consecutivos, até que artistas e público eram uma coisa só. Uma experiência intensa, autêntica, no sentido de que não é apenas um produto cultural – é o reconhecimento da história de uma gente formada por vários povos, da mistura de nuances, da valorização daquilo que somos e escolhemos ser.

Veja mais sobre a comunidade quilombola e o espetáculo nesta matéria, publicada no blog oficial do Soylocoporti. Veja também mais fotos do show e dos ensaios.

share save 171 16 Kundun Balê: resistência, sincretismo e resgate
8 comentários em “Kundun Balê: resistência, sincretismo e resgate”
  1. Michelle o prazer foi nosso em ter vc nesta viagem…espero que tenhamos outras…obrigado pelo apoio

  2. Michele…..como vc mesma explanou, o mundo nos concede nuances da qual mem sempre nos damos conta…e se entregar a essas nuances é uma forma de comungar com o universo sem medo do futuro que nos acena pelas arestas de possibilidades multiplas, nunhuma unica….parabens por ter a disponibilidade de se entregar ao possivel, tornando legitimo encontros espetaculares….como o nosso….parabens pelo trabalho, de novo…bjosss….evohé

  3. Muito obrigada marco e márcio! Tenho, além de entusiasmo e admiração, o dever de compartilhar essa experiência! Espero que os shows em curitiba fiquem lotados, para que mais pessoas possam entrar em contato com toda essa energia do kundun, do mandorová e da assema, e conheçam esse trabalho lindo desenvolvido no paiol.

    Tbm espero que tenhamos outras viagens!

    Abraços,

    Michele.

  4. Essa matéria foi parcialmente publicada em http://www.expediciondondemiras.blogspot.com/

  5. en mis entrañas estan guardadas cada una de las expreciones del ser, y una de las mas motivantes es el teatro en su explendor mas simple,

  6. [...] mais sobre o espetáculo aqui e [...]

  7. SOMOS BOBÓ DE CERTO HAHAHAHHA BOMBAMOS DE MAIS

  8. Já tive a oportunidade de assitir as apresentações destes espetáculos. Valeu a pena! Um mistura de arte, emoção, resgate cultural, valorização das raças, espiritualidade…
    Estou ansioso para saber qual será a data de novas apresentações.

Deixe um comentário





Blog integrante da rede Soylocoporti