Parte do coletivo Soylocoporti

Olhares de (apenas) uma latino-americana

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Manifesto do êxodo urbano

Chakana flor Manifesto do êxodo urbano

Chakana, a cruz andina.

Acho tão ~engraçado~ que a opção por deixar a cidade e ir morar no interior seja frequentemente encarada como fuga, anarcoprimitivismo, socialismo utópico ou meramente isolamento. Enquanto isso, as cidades incham e toda engrenagem pra girar essa vida completamente desconectada, ansiosa, apressada e desvairada vai tratorando a base natural que precisamos para viver.

E aí moramos em caixas de sapato, andamos pelas ruas olhando para o chão, nos trancamos em carros que se enfileiram em congestionamentos e mantemos a rotina trabalho-entretenimento pra conseguir preencher todo esse vazio. Isso quando temos sorte: a grande maioria vive à margem de qualquer dignidade – segundo a meritocracia, culpa deles mesmos, esses vagabundos. Para “vencer na vida” é preciso ter capacidade; capacidade de ignorar a miséria alheia, de negar-se a ver que a riqueza de um é, inevitavelmente, construída sobre a miséria de outros.

Nosso estilo de vida nos faz doentes. Até nossa alimentação nos deixa doentes. E quando questionamos o sentido dessa loucura toda, dizem pra não complicar, buscar uma terapia, se esforçar para ter sucesso. Aceitar de bom grado as leis, as normas do chefe e os dogmas da família. Aliás, família! É bom você construir a sua para não acabar sozinho, para não ter que lidar com sua própria solidão e assumir a responsabilidade pela sua própria vida.

Cronicamente inviável. O modelo de vida de nossa sociedade é, simplesmente, insustentável. Ninguém vê? Ou não quer ver? É difícil. Dói.  Exige encarar muitas comodidades – comodidades, que, no fim das contas, não são assim tão cômodas. Ao mesmo tempo que foram naturalizadas, nos fazem sofrer. Mas estão tão entramadas dentro da gente que fazem parte do que somos. É preciso morrer um pouquinho para se transformar.

A reconexão com a terra, com os ciclos da vida, com as sabedorias ancestrais – que foram desprezadas em nome da ciência e exterminadas em nome do progresso – e sim, com nós mesmos e com os outros, é elemento crucial para superarmos essa mentalidade fracassada que separa ser humano e natureza, indivíduo e comunidade, entre tantas outras dualidades engessantes (como cultura e política…). É preciso buscar ser um pouco mais índio, ter um pouco mais de humildade frente à vida, conseguir enxergar que estamos em tudo e tudo está em nós. É para o bem do mundo, para o bem da vida, para nosso próprio bem. É questão de felicidade, mas também de justiça e sobrevivência.

É hora de ouvir o que a terra tem pra nos falar.

share save 171 16 Manifesto do êxodo urbano
Um comentário em “Manifesto do êxodo urbano”
  1. Gostei muito desse artigo. Esse pensamento não tem nada de anarco primitivismo. Ao contrário disso, é pensar os graves problemas urbanos através das causas. É preciso enfrentar esse sofisma de composição com firmeza e lucidez. Venho me debruçando sobre o problema da concentração populacional em centros urbanos, uma situação realmente insustentável. Devemos pensar em medidas que promovam a distribuição populacional de forma mais homogênea no território. Não se trata de mero êxodo urbano. Tudo tem que ser feito de forma organizada, levando-se em conta os conhecimentos mais atualizados, sem marginalizar nenhum aspecto, seja ele social, econômico, ecológico, psicológico, de direito, humanitário e outros. Acredito que esse deveria ser o grande debate da atualidade. A precariedade da situação de vida da esmagadora maioria dos moradores dos aglomerados urbanos resulta na desumanização ou coisificação do ser humano. Tal situação tem como finalidade servir a interesse meramente materialistas.

Deixe um comentário





Blog integrante da rede Soylocoporti