Parte do coletivo Soylocoporti

Olhares de (apenas) uma latino-americana

Arquivo do assunto ‘santos-paraty’

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Para quem?

, , , , ,

Casa de Cultura de Paraty, eu e os funcionários

Nos quadros que retratam a colonização,
somente nomes de pintores europeus

“Engraçado que é sempre os outros que contam a nossa história”, desabafei

… silêncio …

“Não tem arte indígena?”

“Ahn?”

“Arte indígena.”

“O quê??”

“A-r-t-e i-n-d-í-g-e-n-a!”

“Acho que tem uma peça de artesanato lá em cima.
Mas foram os espertos que contaram a história.
Os índios não tinham papel e pincel.”

Artesanato indígena
no chão das ruas

Arte branca
em galerias e museus

Pedras, igrejas
e casarões coloniais
Macaquinhos pulando
sobre telhados e quintais

Montanhas de Mata Atlântica,
porto e cachoeira
Paraty, mas não para aqueles
de pele amarela e negra

Paraty, gringo
Paraty, elite branca

Paraty

mas não para nós

share save 171 16 Para quem?

6 comentários »

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Donde Miras – Sarau em Maresias

, , , , ,
dsc 0079 Donde Miras   Sarau em Maresias

Binho no sarau na Praça do Surf, em Maresias

dsc 0068 Donde Miras   Sarau em Maresias

Perfil de Jesus

dsc 0390 Donde Miras   Sarau em Maresias

Trampos de Raíssa e músicos caminhantes

dsc 0378 Donde Miras   Sarau em Maresias

dsc 0117 Donde Miras   Sarau em Maresias

Bandeiras Donde Miras

dsc 0452 Donde Miras   Sarau em Maresias

Coco

dsc 0437 Donde Miras   Sarau em Maresias

A roda

Veja mais sobre a Expedición Donde Miras aqui

share save 171 16 Donde Miras   Sarau em Maresias

2 comentários »

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Donde Miras – A passos largos

, , , ,

Faz mais de quinze dias que saímos de Santos. Podiam ser trinta, quinhentos ou 20347 dias passados. O tempo Donde Miras é outro, não se mede em calendários ou relógios. Estamos há muito tempo caminhado? Pouco? Quantos quilometros andamos? Quantas reflexões surgiram? Quantas ideias se derreteram e se metamorfosearam? O olhar vai além e não se prende a números e convenções.

Poetas, palhaços, espanhóis, músicos, argentinos, atores, a cambada da Zona Sul e até uma menina do sul que não hesita em vir a cada caminhada. Somos um, mas somos tão diversos. “Na poesia e na pura ritmia, a família é Donde Miras e o que eu quero é andar”, rimou Zinho.

O território percorrido é a cultura e o litoral norte de São Paulo. É alta temporada e o turismo não dá sossego. Do coração da metrópole, as veias asfaltadas espalham a degradação de um sistema – mesmo no seu período de descanso, os turistas carregam consigo seus hábitos e uma ânsia de extravasar toda a repressão de um ano inteiro. Na virada do ano, em Bertioga, o clima era tenso, mesmo em plena festa. Alegria violenta e artificial. Vida violenta e artificial. Os fogos e os sonhos são de artifício – um pequeno encanto fugaz.

Vamos caminhando debaixo do sol de escaldar do nosso Brasil, molhando o pé nesse marzão de deus, bebendo das fontes exuberantes, pisando, rimando e mirando. Os mosquitos não perdoam nossas peles macias. O verde abraça a beira das estradas, e os carros se movem, dirigindo-se aos residenciais de luxo do litoral norte paulista. Ilhas de conforto forjadas para simular um mundo que não existe, construído sobre a miséria das vilas e favelas. Na verdade, não existem dois mundos. São extremos de uma mesma realidade desigual.

Este solo é rico – boa parte do pouco que sobrou da Mata Atlântica brasileira encontra-se nesse trecho. Contudo, há outras riquezas em cheque. Essa é a região do Pré-Sal. Em São Sebastião, onde estamos agora, a Petrobrás impera. Em todos os lados há reservatórios de petróleo, centrais e cartazes publicitários da empresa. Grande parte da população depende diretamente dela. A pretensão é ampliar o porto da cidade – mais pessoas virão para trabalhar nessa obra. E a estrutura da cidade, irá acompanhar o crescimento? Haverá moradia, educação, sistema de saúde, cultura e alimentação para todos? E o ambiente, esse resquício de Mata Atlântica que ainda não destruímos? Iremos passar por cima dele com nossos rolos de concreto também?

Tivemos esse debate ontem, quando Soraia, amiga do Binho que trabalha com Biodança, veio fazer uma vivência conosco. Sua amiga Malu a acompanhou. Ela mora na região há sete anos e nos contou um pouco da conjuntura local. Esse debate, assim como aquele que tivemos sobre o Pré-Sal em Santos, nos leva a pensar que há muito o que mudar. Nossos hábitos estão distorcidos, nossas relações muitas vezes se dão de maneira equivocada. Enquanto o objetivo de nossa sociedade for individual e monetário, de pouco servirão mudanças. Por isso nossa caminhada procura desenvolver novos olhares. Afinal o que queremos? Onde almejamos chegar? Preparemos nossas setas, mas antes definemos o alvo.

Veja mais sobre a Expedición Donde Miras aqui

share save 171 16 Donde Miras   A passos largos

Nenhum comentário »

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Donde Miras – Mamãe Oxúm

, , , , ,

Cachoeiras do litoral paulista. As duas primeiras imagens são de Maresias. As restantes são da aldeia guarani pela qual passamos.

cachumaresias1 Donde Miras   Mamãe Oxúm

cachumaresias2 Donde Miras   Mamãe Oxúm

cachualdeia1 Donde Miras   Mamãe Oxúm

cachualdeia2 Donde Miras   Mamãe Oxúm

cachualdeia3 Donde Miras   Mamãe Oxúm

cachualdeia4 Donde Miras   Mamãe Oxúm

Veja mais sobre a Expedición Donde Miras aqui

share save 171 16 Donde Miras   Mamãe Oxúm

1 comentário »

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Donde miras – Morte e fé

, , , , ,

Chegando a Maresias, templos de fé e morte. O cemitério da cidade e a capela de São Sebastião.

dsc 0050 Donde miras   Morte e fé

dsc 0052 Donde miras   Morte e fé

dsc 0055b Donde miras   Morte e fé

dsc 0056 Donde miras   Morte e fé

Veja mais sobre a Expedición Donde Miras aqui

share save 171 16 Donde miras   Morte e fé

1 comentário »

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Donde Miras – Pé com pé

, , , ,

Fotos tiradas em janeiro de 2010, no trecho da Expedición Donde Miras de Santos a Paraty. As quatro primeiras fotos são referentes à caminhada de Boiçucanga a Maresias, e a última de Maresias ao centro de São Sebastião.

dsc 0015 Donde Miras   Pé com pé

dsc 0019 Donde Miras   Pé com pé

dsc 0017 Donde Miras   Pé com pé

dsc 0043 Donde Miras   Pé com pé

dsc 0482 Donde Miras   Pé com pé

Veja mais sobre a Expedición Donde Miras aqui

share save 171 16 Donde Miras   Pé com pé

Nenhum comentário »

sábado, 9 de janeiro de 2010

Donde Miras – Aldeia

, , , , , ,

dsc 0507 Donde Miras   Aldeia

dsc 0688 Donde Miras   Aldeia

dsc 0689 Donde Miras   Aldeia

dsc 0696 Donde Miras   Aldeia

dsc 0715 Donde Miras   Aldeia

dsc 0723 Donde Miras   Aldeia

Aldeia Rio Silveira, Boracéia (SP). Janeiro de 2010.

Veja mais sobre a Expedición Donde Miras aqui.

share save 171 16 Donde Miras   Aldeia

2 comentários »

domingo, 27 de dezembro de 2009

Donde Miras – Pé na estrada

, , , ,

Onze horas da noite do dia 26 de dezembro na rodoviária de Curitiba. Malas, corpos, confusão e ansiedade. Para onde vão todas as pessoas? Sonhos, obrigações, reencontros, destino e vontade. O limbo daqueles que ainda não foram.

Minha ansiedade mira. Os andarilhos já haviam saído de São Paulo para a largada oficial de mais uma caminhada da Expedición Donde Miras, o quarto trecho, agora de Santos a Paraty. Ânsia de passos, versos, cores e timbres. Será um mês de caminhos percorridos, saraus, poesia, fotografia, cinema e teatro – cultura a cada passo.

Meu ônibus percorreu as horas mortas paranaenses e paulistas. Pinga lá, pinga cá, desembarco às seis da matina em Santos. Minha referência é o alojamento cedido pelo Sindicato dos Bancários – silêncio matutino, o descanso dos que caminharão. “Abre a porta pra mim, Donde Miras”. Luan sonolento me recebe – a cidade dorme.

Barracas, colchões e cozinha improvisada. Eu descanso da viagem conturbada enquanto aos poucos os caminhantes despertam – feliz reencontro. É o início de mais um ciclo de troca e mutação. As trilhas da América Latina se abrem.

Veja mais sobre a Expedición Donde Miras aqui.

share save 171 16 Donde Miras   Pé na estrada

Nenhum comentário »

Blog integrante da rede Soylocoporti