Parte do coletivo Soylocoporti

Olhares de (apenas) uma latino-americana

Arquivo do assunto ‘Saramago’

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Trechos de Memorial do Convento, de José Saramago

, , , , ,

Memorial do Convento, José Saramago. Lisboa, Editorial Caminho, 1982.

Era uma vez um rei que fez promessa de levantar um convento em Mafra. Era uma vez a gente que construiu esse convento. Era uma vez um soldado maneta e uma mulher que tinha poderes. Era uma vez um padre que queria voar e morreu doido. Era uma vez. (Texto da contra-capa)

 so lua cosmologia 1024x850 Trechos de Memorial do Convento, de José Saramago

Por uma hora ficaram os dois sentados, sem falar. Apenas uma vez Baltasar se levantou para pôr alguma lenha na fogueira que esmorecia, e uma vez Blimunda espevitou o morrão da candeia que estava comendo a luz, e então, sendo tanta a claridade, pôde Sete-Sóis dizer, Por que foi que me perguntaste o meu nome, e Blimunda respondeu, Porque minha mãe o quis saber e queria que eu o soubesse, Como sabes, se com ela não pudeste falar, Sei que sei, não sei como sei, não faças perguntas a que não posso responder, faze como fizeste, vieste e não perguntaste porquê, E agora, Se não tens onde viver melhor, fica aqui, Hei-de ir para Mafra, tenho lá família, Mulher, Pais e uma irmã, Fica, enquanto não fores, será sempre tempo de partires, Por que queres tu que eu fique, Porque é preciso, Não é razão que me convença, Se não quiseres ficar, vai-te embora, não te posso obrigar, Não tenho forças que me levem daqui, deitaste-me um encanto, Não deitei tal, não disse uma palavra, não te toquei, Olhaste-me por dentro, Juro que nunca te olharei por dentro, Juras que não o farás e já o fizeste, Não sabes de que estás a falar, não te olhei por dentro, Se eu ficar, onde durmo, Comigo. (p. 56)

Leia o texto completo »

share save 171 16 Trechos de Memorial do Convento, de José Saramago

Nenhum comentário »

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Saramago, Lis.boa e a “Europa”

, , , , ,

Tá, vou continuar a contar a história dessa viagem. É minha terapia, no mínimo. E algo me diz que eu só vou conseguir pintar um quadro do que vivi na minha cabeça depois que eu contar essa saga todinha.

Então senta que lá vem história.

Depois de nossa memorável viagem de carnaval, passei alguns dias em Lisboa na casa da Roberta. Li Levantado do Chão, do Saramago, e me toquei que toda essa luta portuguesa, a esperança contra a opressão do latifúndio, é irmã da que existe no Brasil. Nem tão impecável é a história da Europa… Aliás, nem um pouco. E é tudo tão recente. A ditadura de Salazar foi até 1974!  Tivemos duas guerras mundias sobre suas terras, totalitarismos, intolerâncias, perseguições. Isso sem falar nos séculos anteriores. Como podemos ter essa miragem de estabilidade da Europa?

Há muitos problemas que são problemas da humanidade toda. Como esse: “Emprestam-te uma espingarda, mas nunca te disseram que a apontastes ao latifúndio, toda tua instrução de mira e fogo está virada contra o teu lado, é para o teu próprio e enganado coração que olha o buraco do cano da tua arma, não percebes nada do que fazes e um dia dão-te voz de atirar, e matas-te”. Assim conta Saramago. Não é igual por toda parte? Leia o texto completo »

share save 171 16 Saramago, Lis.boa e a Europa

2 comentários »

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Palavras, de José Saramago

,

Saramago escreve um pequeno texto interpretativo e genial todos os dias em http://caderno.josesaramago.org. Eu recomendo. Muito. Aí vai uma palhinha. (Adoro quando alguém consegue dizer exatamente aquilo que eu sempre quis mas nunca consegui – esse é o caso.)

Não pode haver conferência de imprensa sem palavras, em geral muitas, algumas vezes demasiadas. Pilar insiste em recomendar-me que dê respostas breves, fórmulas sintéticas capazes de concentrar longos discursos que ali estariam fora de lugar. Tem razão, mas a minha natureza é outra. Penso que cada palavra necessita sempre pelo menos outra que a ajude a explicar-se. A coisa chegou a um ponto tal que, de há tempos a esta parte, passei a antecipar-me às perguntas que supostamente me farão, procedimento facilitado pelo conhecimento prévio que venho acumulando sobre o tipo de assuntos que aos jornalistas mais costumam interessar. O divertido do caso está na liberdade que assumo ao iniciar uma exposição dessas. Sem ter de preocupar-me com os enquadramentos temáticos que cada pergunta específica necessariamente estabeleceria, embora não fosse essa a sua intenção declarada, lanço a primeira palavra, e a segunda, e a terceira, como pássaros a que foi aberta a porta da gaiola, sem saber muito bem, ou não o sabendo de todo, aonde eles me levarão. Falar torna-se então numa aventura, comunicar converte-se na busca metódica de um caminho que leve a quem estiver escutando, tendo sempre presente que nenhuma comunicação é definitiva e instantânea, que muitas vezes é preciso voltar atrás para aclarar o que só sumariamente foi enunciado. Mas o mais interessante em tudo isto é descobrir que o discurso, em lugar de se limitar a iluminar e dar visibilidade ao que eu próprio julgava saber acerca do meu trabalho, acaba invariavelmente por revelar o oculto, o apenas intuído ou pressentido, e que de repente se torna numa evidência insofismável em que sou o primeiro a surpreender-me, como alguém que estava no escuro e acabou de abrir os olhos para uma súbita luz. Enfim, vou aprendendo com as palavras que digo. Eis uma boa conclusão, talvez a melhor, para este discurso. Finalmente breve.

 

 

share save 171 16 Palavras, de José Saramago

2 comentários »

Blog integrante da rede Soylocoporti