Parte do coletivo Soylocoporti

Olhares de (apenas) uma latino-americana

Arquivo do assunto ‘mídia independente’

domingo, 14 de junho de 2009

Fascismo na USP

, ,

Segue abaixo relato de Pablo Ortellado, professor da USP, que presenciou os atos de violência cometidos em 09/06 na instituição.

Hoje, as associações de funcionários, estudantes e professores haviam deliberado por uma manifestação em frente à reitoria. A manifestação, que eu presenciei, foi completamente pacífica. Depois, as organizações de funcionários e estudantes saíram em passeata para o portão 1 para repudiar a presença da polícia do campus. Embora a Adusp não tivesse aderido a essa manifestação, eu, individualmente, a acompanhei para presenciar os fatos que, a essa altura, já se anunciavam. Os estudantes e funcionários chegaram ao portão 1 e ficaram cara a cara com os policiais militares, na altura da avenida Alvarenga. Houve as palavras de ordem usuais dos sindicatos contra a presença da polícia e xingamentos mais ou menos espontâneos por parte dos manifestantes. Estimo cerca de 1200 pessoas nesta manifestação.

Nesta altura, saí da manifestação, porque se iniciava assembléia dos docentes da USP que seria realizada no prédio da História/ Geografia. No decorrer da assembléia, chegaram relatos que a tropa de choque havia agredido os estudantes e funcionários e que se iniciava um tumulto de grandes proporções. A assembléia foi suspensa e saímos para o estacionamento e descemos as escadas que dão para a avenida Luciano Gualberto para ver o que estava acontecendo. Quando chegamos na altura do gramado, havia uma multidão de centenas de pessoas, a maioria estudantes correndo e a tropa de choque avançando e lançando bombas de concusão (falsamente chamadas de “efeito moral” porque soltam estilhaços e machucam bastante) e de gás lacrimogêneo. A multidão subiu correndo até o prédio da História/ Geografia, onde a assembléia havia sido interrompida e começou a chover bombas no estacionamento e entrada do prédio (mais ou menos em frente à lanchonete e entrada das rampas). Sentimos um cheiro forte de gás lacrimogêneo e dezenas de nossos colegas começaram a passar mal devido aos efeitos do gás – lembro da professora Graziela, do professor Thomás, do professor Alessandro Soares, do professor Cogiolla, do professor Jorge Machado e da professora Lizete todos com os olhos inchados e vermelhos e tontos pelo efeito do gás. A multidão de cerca de 400 ou 500 pessoas ficou acuada neste edifício cercada pela polícia e 4 helicópteros.

O clima era de pânico. Durante cerca de uma hora, pelo menos, se ouviu a explosão de bombas e o cheiro de gás invadia o prédio. Depois de uma tensão que parecia infinita, recebemos notícia que um pequeno grupo havia conseguido conversar com o chefe da tropa e persuadido de recuar. Neste momento, também, os estudantes no meio de um grande tumulto haviam conseguido fazer uma pequena assembléia de umas 200 pessoas (todas as outras dispersas e em pânico) e deliberado descer até o gramado (para fazer uma assembléia mais organizada). Neste momento, recebi notícia que meu colega Thomás Haddad havia descido até a reitoria para pedir bom senso ao chefe da tropa e foi recebido com gás de pimenta e passava muito mal. Ele estava na sede da Adusp se recuperando.

Durante a espera infinita no pátio da História, os relatos de agressões se multiplicavam. Escutei que a diretoria do Sintusp foi presa de maneira completamente arbitrária e vi vários estudantes que haviam sido espancados ou se machucado com as bombas de concusão (inclusive meu colega, professor Jorge Machado). Escutei relato de pelo menos três professores que tentaram mediar o conflito e foram agredidos. Na sede da Adusp, soube, por meio do relato de uma professora da TO que chegou cedo ao hospital que pelo menos dois estudantes e um funcionário haviam sido feridos. Dois colegas subiram lá agora há pouco (por volta das 7 e meia) e tiveram a entrada barrada – os seguranças não deixavam ninguém entrar e nenhum funcionário podia dar qualquer informação. Uma outra delegação de professores foi ao 93o DP para ver quantas pessoas haviam sido presas. A informação incompleta que recebo até agora é que dois funcionários do Sintusp foram presos – mas escutei relatos de primeira pessoa de que haveria mais presos.

A situação, agora, é de aparente tranquilidade. Há uma assembléia de professores que se reuniu novamente na História e estou indo para lá. A situação é gravíssima. Hoje me envergonho da nossa universidade ser dirigida por uma reitora que, alertada dos riscos (eu mesmo a alertei em reunião na última sexta-feira) , autorizou que essa barbárie acontecesse num campus universitário. Estou cercado de colegas que estão chocados com a omissão da reitora. Na minha opinião, se a comunidade acadêmica não se mobilizar diante desses fatos gravíssimos, que atentam contra o diálogo, o bom senso e a liberdade de pensamento e ação, não sei mais.

Por favor, se acharem necessário, reenviem esse relato a quem julgarem que é conveniente.

Cordialmente,

Prof. Dr. Pablo Ortellado

Escola de Artes, Ciências e Humanidades

Universidade de São Paulo

share save 171 16 Fascismo na USP

1 comentário »

sexta-feira, 27 de março de 2009

Os becos escuros do jornalismo paranaense

, , , , ,

Gladimir Nascimento, com mais de 20 anos de jornalismo nas costas, foi demitido em janeiro deste ano da Band News, rádio que ajudou a construir há três anos. A demissão deu-se por “pressão política”. A causa foi a seguinte notícia: o jornalista contou aos seus ouvintes que a Assembléia Legislativa do Paraná aprovou uma aposentadoria especial, direcionando 17 milhões do orçamento de 2009 para a aposentadoria de seus deputados. Eles contarão com 10,2 mil reais mensais para desfrutar a velhice.

O trâmite foi feito na surdina: em sessão realizada na calada da noite, durante a madrugada. “Elegemos os políticos para serem representantes do povo e eles nos surpreendem como ladrões de galinha”, denunciou Nascimento. Acontece que a administração desse fundo previdenciário caberá ao Paraná Banco, propriedade de Joel Malucelli. E adivinha quem é o dono da Band News? Ele próprio, Joel Malucelli. Mais uma vez a velha promiscuidade imprensa-política-capital exerce seu poder contra a liberdade de imprensa.

A assessoria da Assembléia Legislativa do Paraná diz desconhecer a demissão do jornalista. Afirma que os comentários que Nascimento fez foram fortes e informa ainda que “a demissão do referido jornalista é uma questão entre o profissional e a emissora para a qual ele trabalhava”.

Demissão em massa

Hoje, 27 de março, em debate no Departamento de Comunicação da Universidade Federal do Paraná, Gladimir contou que Joel Malucelli lhe disse cara-a-cara o motivo de sua demissão. “Os comentários que eu fiz são fortes. Se as pessoas não gostam, que me demitam”, resigna-se Nascimento. “Este episódio foi um exercício de liberdade, saber até onde poderia ir, e Joel (Malucelli) foi transparente”. Segundo o radialista, o mais grave foi a posterior demissão de sua equipe a mando do Secretário de Comunicação do Estado do Paraná, Benedito Pires Trindade.

 Os becos escuros do jornalismo paranaense
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
Gladimir no Decom.

O debate contou também com o jornalista Rodrigo Dheda, da Gazeta do Povo, e foi mediado pela estudante de jornalismo Thaise Mendonça. O foco foi a questão da liberdade do profissional de jornalismo.

Recomeço

Gladimir Nascimento e sua equipe – Denise Mello, Heliberton Cesca, Daiane Figueiró, Patrícia Thomaz, Tathiana Mesquita, Cida Bacaycoa, Aline Castro e Vinícius Sgarbevoltam – continuam atuando na imprensa, agora de forma independente na web rádio jornalismofm. O email para pautas e sugestões de entrevistas é redacao@jornalismofm.com.br.

*Algumas informações dessa matéria foram tiradas do sítio http://www.comunique-se.com.br

share save 171 16 Os becos escuros do jornalismo paranaense

3 comentários »

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Paraisópolis – Arruaça é a puta que o pariu

, , ,

Para enteder um pouco do que não se entende.

http://ferrez.blogspot.com/

O jornalismo canalha não pára.
Expõe protesto como arruaça, como bagunça, e em nenhum canal, em nenhum jornal explicaram que tudo começou por um atropelamento.
Paraisópolis não pode se manifestar, manifesto é ter trailer lotado de gente fantasiada na Paulista.
Paraisópolis não pode achar ruim de ter mais um menino morto por causa de uma simples lombada ou um sinal, tá faltando farol em São Paulo? acho que não, vai pro Jardins, vai pro alto de Pinheiros e você vai ver onde eles se concentram, para evitar que o boy com a cara cheia de álcool, coca, maconha volte da balada e corra algum risco.
aqui! pancada, rojão, pneu queimado, tudo isso pra mostrar pro estado porco que agente dá valor pra uma vida.
fotos fortes, notícia quente, e nenhum morador falando, só as cenas de confronto, quando os robocops chegaram, com medo…medo sim, de que os favelados fossem para o vizinho, famoso “Morumby”.
Num esquenta “ortoridade” que ninguém ainda se tocou que devia querer mais, dessa vez passa batido, só querem um farol.

abaixo carta da União de Moradores de Paraisópolis.

Os moradores da comunidade de Paraisópolis enfrentaram nesta segunda-feira, 2 de fevereiro, um dia marcado pela irracionalidade.
Carros queimados, bombas e tiros trocados impediram que trabalhadores saissem de suas casas e crianças voltassem de suas escolas.
Milhares de vidas foram colocadas sob um imenso risco.
A União dos Moradores lutará com todas as suas forças para que essas cenas nunca mais voltem a se repetir em frente as nossas casas e ao lado de nossos filhos! Gilson RodriguesPresidente da União dos Moradores e do Comércio de Paraisópolis

PS: vamos usar os nossos canais de informação para isso, para mostrar o outro lado dos acontecimentos, essa é a grande vantagem dos blogs.

share save 171 16 Paraisópolis   Arruaça é a puta que o pariu

2 comentários »

Blog integrante da rede Soylocoporti